terça-feira, 28 de junho de 2011

COMO SABER SE O INSTRUMENTO É MACIÇO?

Não se engane e nem se deixe enganar. Muitas vezes, no afã de comprar um instrumento, músicos amadores e profissionais acabam levando gato por lebre, principalmente quando a questão envolve instrumentos acústicos e semi-acústicos, como violões, cavacos, baixos, violinos, violas, guitarras contrabaixos entre outros.

Muitas fábricas de instrumentos musicais, para economizarem em material e mão-de-obra, utilizam compensado – e até aglomerado – no lugar da madeira maciça. Essa prática, porém, não é apenas uma tática adotada por empresas de instrumentos de baixo e médio nível.

Nos últimos anos algumas das marcas mais famosas do planeta tem fabricado guitarras semi-acústicas e violões de compensado. Portanto, a promessa de que empresas renomadas são garantia de qualidade nem sempre é real - já que elas abusam de sua tradição. É como aquele velho ditado: “Quem tem fama, deita na cama”. Entretanto, fazem isso ferindo o bolso de centenas de consumidores desatentos, todos os dias.


Só para ilustrar o fato, basta dizer que um cliente do grande mestre da luthieria Eduardo Ladessa comprou uma desses instrumentos de compensado por nada menos do que (pasmem) R$7.000,00! Quando o Edu, com muito jeito, falou que sua guitarra não era de madeira maciça, o cliente pensou e logo respondeu: “Tudo bem... é compensado de maple”. No mínimo ele estava desapontado, mas tentando se convencer de que o fato de ser de maple mudaria em algo.

Diante desta realidade, fica a pergunta: como os músicos devem se proteger deste engodo que deprecia – e muito - a qualidade do som no que diz respeito à questão acústica?

O primeiro passo é saber diferenciar um instrumento acústico feito com peças maciças e outro de compensado. Mas, antes, precisamos conhecer as características de ambas.

O tampo superior dos violões e guitarras semi-acústicas de compensado é feito, geralmente, com três folhas de madeira prensadas e coladas uma sob as outras.

A primeira reveste a peça, por isso são usadas madeiras como spruce ou abeto, por sua beleza. A segunda e terceira folhas geralmente são maple ou araucária. Tratam-se de madeiras mais econômicas de fáceis de serem trabalhadas.

O problema deste sistema de construção é que essas três peças são dispostas, uma às outras, de forma perpendicular, fazendo com que o tampo ganhe resistência e perca parte do seu potencial vibratório: e o resultado disso é a queda na qualidade sonora do instrumento.

Para diagnosticar  e distinguir o  tipo de construção, a alternativa mais simples é analisar com atenção a boca do instrumento.
Para facilitar, siga o passo a passo abaixo:

Pegue um instrumento acústico


Se for violão, veja se os veios da madeira do tampo seguem seu rumo até a curva da boca. Se isso ocorrer é porque o tampo é maciço, ou seja, feito com uma única peça (foto acima).


Agora, se o tampo for fino demais e os veios terminarem retilíneos na boca do instrumento, é porque é feito em madeira compensada com cola - um material que muito interfere na acústica (foto acima).

No caso das laterais do corpo, se o violão for elétrico, remova o pré-amplificador e veja se o corpo é de compensado.

Se for guitarra, violino, violoncelo, viola ou contrabaixo acústico, veja se o “F” do tampo superior possui peças coladas no sentido de sua espessura. Se houver, é porque o instrumento é de compensado.

Portanto, fica a dica: antes de julgar a qualidade dos instrumentos pela sua marca ou beleza, confira a forma como foi construído, e, se ainda tiver dúvida na hora da compra, consulte, antes, um luthier de sua confiança (que, de preferência, tenha boa formação técnica e não possua vínculos com a loja em que você pretende comprar o instrumento).
Abraços

Vitor Gomes

22 comentários:

  1. Olá Vitor! Adorei as dicas para reconhecer os tampos. Muito útil. bjs Bia

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela matéria Vitor, vou dar uma olhada agora no meu Crafter!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ótimas dicas,

    Melhor site de Lutheria da Baixada!!!!

    Felipe Kogima

    ResponderExcluir
  4. Opa, Adriano, super-Bia, Felipe e Santana!
    Fico feliz que tenham gostado
    Obrigado pela confiaça!
    Abraços Vitor

    ResponderExcluir
  5. Valeu pelas suas dicas, mas só fiquei com a duvida sobre esse "F" do tampo superior! principalmente da guitarra que eu quero diferenciar!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Eduardo!
    Tudo certo?
    O "F" é a abertura de ressonância acústica existente em violinos, cellos, contrabaixos acústicos e guitarras semi-acústicas.
    Para saber se sua guitarra é maciça, basta abrir a tampa se seu sistema elétrico e, com cuidado, remover um pouco da tinta. Logo você verá se a peça é feita em madeira, aglomerado, compensado ou, até, MDF. Mas não se preocupe: as guitarras tipo les ou strato são feitas geralmente em madeira maciça.
    Espero que tenha ajudado.
    Qualquer dúvida, entre em contato pelo e-mail: vgomes_luthier@hotmail.com ou pelo telefone (13) 3021-6394
    Abraço e até

    ResponderExcluir
  7. amigo adorei o post...
    eu tenho uma guitarra Epiphone Les Paul Special 2..
    TODO MUNDO diz que é de compensado, mas nao quero acreditar nisso até ver com meus proprios olhos...

    só que nao posso raspar a tinta da guitarra hehe... como faço pra ter certeza entao se ela é de compensado?
    vlw

    ResponderExcluir
  8. Olá, amigo anônimo!
    Antes de tudo, agradeço pela pergunta e pela confiança!!
    Há uma forma bem simples de você saber a sua guitarra é de compensado sem ferir sua estética.

    - 1° Abra a tampa do sistema elétrico de sua guitarra.
    - 2° Veja se a parede da cavidade do sistema tem textura.
    - 3º Se tiver uma textura tipo de várias camadas (como as geológias, por exemplo), tenha certeza que é de compensado.
    - 4° Caso contrário, se a parede for uniforme, fique feliz. É possível que ela seja maciça.

    Se você tiver alguma dúvida, raspe a tinta da parede da cavidade do sistema elétrico, tire uma foto nítida e envie para o email: vgomes_luthier@hotmail.com ou vitorgomesluthier@gmail.com
    Terei prazer em ajudá-lo
    Abraço
    Vitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amigo, eu tenho uma tagima pr-100 special series, e eu suspeito que ela é feita de mdf, pois a madeira é muito branca, e o parafuso que prende o escudo de trás, espanou muito facil, e também eu dei uma leve cutucada com a chave de fenda sobre a madeira por dentro da guitarra, e ai descascou facil a madeira.
      ai eu te pergunto, ela é de compensado ??

      Excluir
    2. Olá, Lipe!
      Obrigado pela confiança!
      É meio difícil eu dizer se ela é de compensado, MDF ou maciça sem olhá-la ao vivo. Se quiser, podemos marcar um encontro em minha oficina - sem compromisso - para eu poder estudar o material que ela foi construída.
      Meu telefone é (13) 3021-6394
      Abraço
      Vitor

      Excluir
    3. o ruim é que eu moro muito longe de voce, ai não tem como eu leva-la ai, eu queria muito levar ela ai pra voce ver mais infelismente a distancia não deixa.

      Excluir
    4. Compreendo!
      Mas há uma forma bem simples de você saber a sua guitarra é de compensado ou MDF sem ferir sua estética.

      - 1° Abra a tampa do sistema elétrico de sua guitarra.
      - 2° Veja se a parede da cavidade do sistema tem textura.
      - 3º Se tiver uma textura tipo de várias camadas (como as geológias, por exemplo), tenha certeza que é de compensado.
      - 4° Caso contrário, se a parede for uniforme, fique feliz. É possível que ela seja maciça.
      - 5º Agora, se sair uma espécie de pó e a madeira se desfazer com facilidade, certamente é de MDF. Um bom motivo para vc ficar triste.

      Se você tiver alguma dúvida, raspe a tinta da parede da cavidade do sistema elétrico, tire uma foto nítida e envie para o email: vgomes_luthier@hotmail.com ou vitorgomesluthier@gmail.com
      Terei prazer em ajudá-lo
      Abraço
      Vitor

      Excluir
    5. Cara, eu tb tenho uma PR100, e sim, é compensado, ou MDF, ou qualquer porcaria destas menos madeira maciça. O pior é que no site da Tagima fala em basswood. Isso é estelionato.

      Excluir
    6. É então, mais fazer o que né...

      Excluir
  9. Excelente post !!!!! Parabéns !!!!
    Quero comprar um contrabaixo acústico 3/4..... para saber se é feito com compensado ou não, sigo as mesmas dicas validas para os violões acima citados????? É mais importante a tampa dianteira, claro, mas e a tampa traseira ..... pode ser de compensado ??? Visto que pelas minhas condições terá que ser um chinês usado ?!?!? Obrigado.

    ResponderExcluir
  10. Olá Vítor...acabei de comprar uma Sx sst62 strato queria saber se o corpo é em alder ou basswood? Uns falam q é alder outros dizem que é basswood como saber? Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Olá Vítor...acabei de comprar uma Sx sst62 strato queria saber se o corpo é em alder ou basswood? Uns falam q é alder outros dizem que é basswood como saber? Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Essa foto é de um giannini?

    ResponderExcluir
  13. Antigamente até pela maior disponibilidade de madeiras o que foi descrito era algo inerente ao violão. V. vê veios nesse sentido. Inclusive no fundo, de madeira mais dura, também.Tenho um violão desde 1965 e ele é assim. Quando peguei um cavaquinho que era apenas para brincar na bagunça estranhei a falta dessa característica.Boa dica.....Eu não compraria um violão pintado que não mostrasse os veios.

    ResponderExcluir