domingo, 8 de maio de 2011

SUSTAIN INFINITO

Obviamente obter uma sustentação da nota infinita é impossível, porém há muitos recursos que podem deixar sua guitarra ou contrabaixo com um som mais prolongado, ao mesmo tempo em que melhora e define o seu timbre.

O primeiro ponto a ser observado é o tipo de construção do instrumento. Grandes músicos e luthiers, como o mestre Eduardo Ladessa, defendem a idéia de que os instrumentos com braços inteiriços possuem maior sustein, pelo fato de serem construídos com uma única peça feita com longas tiras de madeiras prensadas. Em contrapartida muitas fábricas divulgam que é mínima a diferença de sustain entre um instrumento de braço inteiriço e o aparafusado. Mas há um motivo por trás desta alegação: a construção de instrumentos com braço aparafusado é mais simples e garante menor custo de material e mão de obra.  

Opiniões à parte, neste texto trataremos apenas de pequenas modificações e cuidados que, se somados, podem melhorar - e muito - o desempenho de seu instrumento.

O primeiro passo para otimizar seu som é saber colocar as cordas de maneira certa, de modo que elas dêem  voltas como espirais em torno dos eixos das tarraxas. Quando uma corda é inserida de qualquer jeito, sua tensão pode ficar prejudicada e conseqüentemente seu instrumento não terá um desempenho tão bom quanto poderia ter.
Vale lembrar que quanto mais alta as cordas estiverem
esticadas (mas nunca as deixem como um berimbau), mais som e harmônicos você terá.

Outro recurso é uma boa regulagem do capotraste, também conhecido como pestana. Quando colocamos as cordas, notamos que elas ficam quase que totalmente enfiadas nos canais do capotraste; e isso faz com que a vibração das cordas seja interrompida pelas paredes que as cercam.
O ideal é que as cordas fiquem metade para dentro e metade para fora do capotrastre, para que vibrem de forma plena, gerando mais sustein.

Ainda sobre esta peça, sabe-se que quando feitas em materiais mais densos e rígidos, como o osso ou latão, proporcionam um som mais puro e definido (além de ter uma durabilidade enésima vezes superior) do que os fabricados com materiais de menos densidade, como o plástico. Esses capotrastes (e rastilhos) de osso e latão são manufaturados e dificilmente encontrados a venda em lojas, por isso, para mais detalhes, consulte um luthier.

Porém, estes não são os únicos recursos que podem melhorar a sustentação do som de seu instrumento. Alguns tipos de pontes também contribuem com a questão. Para instrumentos de corpo de madeira maciça (que não sejam de compensado ou MDF), uma boa dica é a suntain block. Como o nome já diz, esse tipo de ponte inclui um bloco de metálico, que proporciona mais sustein.

Já para os violões acústicos de cordas de nailon, a dica é pedir para o seu luthier realizar a dupla furação, um recurso realizado pelos melhores profissionais da Europa e por poucos no Brasil. Esta furação fará com que a corda tenha maior tensão sobre o rastilho, garantindo mais corpo, volume e sustein.

Para os instrumentos de braço aparafusado, o ideal é substituir os quatro parafusos Philips, que prendem as duas a peça ao corpo, por outros com entrada para chave allen. A grande vantagem é que estes exercem maior pressão das duas peças, otimizando muito o som do instrumento.
Com estes pequenos cuidados e alterações o seu instrumento terá um melhor desempenho e, com certeza, uma melhor qualidade de som.

Um comentário:

  1. Fala Vitor! Tudo bem? Lembra de mim? Sou o nicholas que fazia aula no Chico tbm.
    Adorei a iniciativa!
    Se tiver um tempo da uma olhada no meu blog: www.viraroque.blogspot.com

    Abraço!

    ResponderExcluir